No dia em que se cumprem 60 anos sobre a adesão de Portugal à ONU, o Governo renova o firme compromisso de Portugal para com os valores, os princípios e os objetivos da Carta das Nações Unidas, adotada em S. Francisco em 1945.

No quadro da continuidade, da coerência e do amplo consenso que caracterizam a política externa portuguesa, é com pleno empenho que defendemos um multilateralismo efetivo, assente na centralidade das Nações Unidas e num sistema internacional baseado no respeito pelo direito internacional.

Os crescentes e diversificados desafios com que a Comunidade Internacional se depara, em matéria de paz e segurança, direitos humanos e desenvolvimento sustentável, impõem uma responsabilidade partilhada e requerem respostas conjuntas. Para tal, as Nações Unidas configuram a legítima referência institucional, no âmbito do qual se devem enquadrar, também, as ações regionais e nacionais.

Portugal tem assumido a sua quota-parte desta responsabilidade partilhada, disponibilizando efetivos para as operações de manutenção da paz das Nações Unidas e participando de forma regular, ativa e com reconhecido sucesso nos principais órgãos de decisão da Organização e no abrangente Sistema Onusino. É, também, digno de registo o desempenho, com êxito, de cargos de elevada responsabilidade na ONU por parte de personalidades de nacionalidade portuguesa que serviram e servem os propósitos das Nações Unidas, prestigiando Portugal.

No momento em que se celebram os 60 anos da adesão à ONU, o Governo reitera o seu empenho em dar continuidade ao contributo de Portugal para a ação das Nações Unidas de modo a que os princípios e objetivos da Carta encontrem plena concretização para beneficio de todos os Estados membros da Organização e dos povos por eles representados.

  • Partilhe